O que é autoestima? Entenda como ela pode afetar sua sexualidade

Na live da semana passada, falamos sobre a conexão da Autoestima e sua Sexualidade. Nela, abordamos o que é autoestima e como ela pode influenciar seus relacionamentos.

No artigo de hoje, iremos sintetizar tudo o que foi abordado, colocar em pauta algumas das questões que cercam nossa sexualidade, a forma como nos vemos e como a autoestima interfere na escolha dos nossos parceiros/as.

Irei abordar o assunto com a visão da sexologia somática e do tantra, que são as filosofias com as quais eu trabalho.

Vamos começar?

Mas afinal, o que é autoestima?

A palavra auto está ligada ao “eu” e a forma como nos vemos.. Já estima, está relacionado à admiração, respeito, o valor que é dado.

Assim, autoestima é o quanto você se autovaloriza, se respeita e se admira. É um conceito muito pessoal que afeta nosso comportamento através das diversas fases da vida.

Ela é criada desde nossa infância. Por exemplo: Quando somos muito criticados ainda pequenos, a tendência é crescermos com uma autoestima frágil ou baixa.

Isso porque, até o 6 anos de idade, somos uma esponja e tomamos como verdade aquilo que nos é falado.

Os tipos de autoestima

A maioria das pessoas acredita que exista apenas a alta e baixa autoestima. 

Mas, não existem somente esses dois tipos.

O psiquiatra, Dr. Diogo Lara, autor de vários livros, entre eles o best seller Imersão, explica que nós temos 4 tipos de autoestima: a baixa, alta, a frágil e a saudável.

A baixa autoestima, é quando não vemos nosso próprio valor e não nos reconhecemos de uma forma realista. Sempre há um olhar negativo sobre nós mesmos.  

Quem sofre desse tipo de visão sobre si mesmo tende a ter relacionamentos tóxicos e abusivos.

Já contrariando o que muitos pensam, a autoestima alta nem sempre é boa. Isso porque, também é uma visão distorcida de si mesmo. E é tão perigosa e danosa quando a baixa. Isso porque, a pessoa não é capaz de reconhecer suas falhas, não vê seus erros, acredita que sempre está certa e que os outros estão contra ela.

A autoestima frágil é aquela que é bem volátil. As pessoas com a autoestima frágil se medem pelo que os outros dizem ou falam sobre elas. Por exemplo, quando são elogiadas, passam a se sentirem bem com elas mesmas, alegres e confiantes. Mas, se são criticadas, passam a sentir-se negativas, não gostam de si mesmas e tendem a serem extremamente autocríticas.

Já uma autoestima saudável é aquela pessoa que reconhece suas fragilidades e suas habilidades. Sabe quais os seus pontos fracos. Sabe que tem capacidade de enfrentar seus desafios e que estas debilidades são simplesmente coisas que ainda não se dedicou tanto.

Como que a autoestima se forma?

Ela se forma através, basicamente, dos pensamentos que temos sobre nós mesmo. Isso desde o início de nossas vidas.

Como eu disse anteriormente, até os 6 anos apenas absorvemos tudo o que nos é dito como se fosse real. Mas conforme amadurecemos, começamos a ter um pouco mais de percepção nesse aspecto.

Então, se nós sabemos que a base da autoestima são nossos pensamentos, como podemos mudar a concepção que temos de nós mesmos?

Uma forma poderosa e eficiente é monitorando nossos pensamentos.

Esses pensamentos, negativos ou positivos, sobre nós mesmos liberam uma química no nosso cérebro que se espalham pelo nosso corpo e geram sentimentos, que por sua vez geram emoções, que resultam em ações, os resultados das ações geram e solidificam as crenças, e assim elas se retroalimentam.

O pensamento é super poderoso, ele está criando sua realidade e é a base da autoestima. Assim, é essencial que diariamente façamos afirmações positivas e as sintamos como verdadeiras, sem perdermos a noção de quem somos realmente e o que necessitamos para nosso desenvolvimento pleno.

Nossa sexualidade é um ponto de muita vulnerabilidade, onde a autoestima tem um poder gigantesco. Por esse motivo eu decidi iniciar o #21diasdesexualidadepositiva, para ajudar a mudar as crenças limitantes sobre a sexualidade através destas afirmações positivas em relação ao nosso corpo, nosso ser e nossa sexualidade.

Autoestima e sexualidade

Para entendermos melhor como a autoestima impacta nossa sexualidade, é preciso entender que sexualidade não é só sexo, mas o engloba.

Assim, o que forma nossa sexualidade são: nossas emoções, nossa capacidade afetiva, as sensações do seu corpo, seus pensamentos e suas crenças.

Nós somos a nossa sexualidade. Todo nosso ser transmite nossa sexualidade através de nossas palavras, ações, nosso trabalho, nossos movimentos… E tudo isso está conectado com nossa autoestima.

Quem não tem uma autoestima saudável, tenderá a ter relacionamentos abusivos, nocivos ou pode sentir-se frustrado sexualmente.

Na semana passada, abordamos o tema “Frustração Sexual” em uma live. Clique aqui para conferir.  

Na mulher, a autoestima baixa ou frágil resulta numa dificuldade de viver plenamente sua sexualidade. Ela não consegue se soltar, não raro, esta é a causa de não conseguir atingir orgasmos.

E a visão que as mulheres têm de si mesmas é principalmente influenciada pelo padrão de beleza. Mas, nós precisamos entender que este padrão de beleza é algo mutável, que depende da época, dos costumes e da cultura. E sempre se trata de algo utópico, irreal.

Mas saiba: Nós somos muito mais que nosso corpo, somos um conjunto fantástico e harmonioso.

Quando a mulher está em contato com o seu erotismo natural, não esse erotismo fabricado, mas o natural, ela é extremamente atraente, independentemente do seu manequim.

Já a autoestima do homem está muito ancorada na sua performance sexual. E assim como as mulheres, é um padrão irreal. Essa performance exigida para os homens é exaustiva e inumana. A expectativa por ter uma relação “dentro dos padrões” e a insegurança podem gerar um problema ainda mais sério na relação, o nível de prazer pode ser reduzido brutalmente, chegando inclusive a acontecer aquilo que ele mais teme, as disfunções sexuais.

As afirmações positivas e as técnicas que aplico em meus cursos são ótimas ferramentas para reverter esse tipo de problema, reequilibrar a autoestima, tanto do homem quanto da mulher.

Se você tem interesse e conhecer mais afundo tudo o que ensino e a filosofia que mudou minha vida, convido você a participar da Formação em Tantra e Sexualidade Consciente. Lá ensino não só o que é aplicado na terapia, mas você entrará em uma linda jornada de transformação pessoal, profissional e espiritual. Nesta jornada, você aprenderá também a utilizar as técnicas para auxiliar outras pessoas nesse processo de reequilíbrio e cura da autoestima, proporcionando uma vida sexual mais plena e feliz.

Quer conhecer a formação? Então, basta clicar aqui.